Frustração com políticos

No apagar das luzes de 2019 foi divulgado um retrato revelador sobre como o eleitorado enxerga os parlamentares federais. Pesquisa do Datafolha mostrou que o trabalho de deputados e senadores é considerado ruim ou péssimo por 45% da população. Somente 14% avaliam a atuação dos congressistas como boa ou ótima.

Ao fim das eleições de 2018, quando as urnas trouxeram  alguns bons novos políticos, a expectativa em relação ao Congresso Nacional era mais otimista: 56% dos entrevistados acreditavam que o desempenho dos parlamentares da atual legislatura seria ótimo ou bom. Nas duas legislaturas  anteriores, o bom conceito estava refletido na opinião de 49%. Em outras palavras, a percepção atual está abaixo até mesmo que a de antes da eleição, o que pode ser traduzido numa só palavra: decepção.

Sabemos que há no Brasil uma crise na representação política, com crescente aversão aos políticos tradicionais. Mas soa ainda mais preocupante quando se constata que a aposta do eleitor na renovação acarretou mais frustração. Não deixa de ser um alerta aos eleitores que  amam e defendem a democracia. E que precisa perdurar.

As posturas assumidas por parlamentares ao longo dos últimos meses e a evolução de temas desabonadores são os responsáveis pela piora da imagem do Congresso. E não foi só o desgaste em temas como o absurdo aumento do valor para o Fundo Eleitoral, tirando de áreas essenciais como a saúde, mas também como se repetiu no recente caso do veto dos R$ 30 bilhões.

Pesou também – e muito – diversas manobras judiciárias, legislativas e administrativas para proteger políticos dos rigores da lei, como para esvaziar a Lava Jato e para chantagear o Executivo em votações. Ficou claro que nossa difícil batalha não é só política e econômica, mas, sobretudo, moral.

Eis então a pauta que se coloca aos parlamentares: a restauração da ética na política, o combate à corrupção, a defesa da Operação Lava Jato, a transparência da coisa pública e a promoção irrestrita da Justiça. Apenas desta forma começaremos a inverter o conceito tão agravado em apenas um ano.

Lasier Martins
Senador pelo Podemos-RS

Artigo publicado no Correio do Povo