A BR-116 e o Exército

A duplicação da BR-116 entre Guaíba e Pelotas é apenas uma entre dezenas de obras em construção pelo Exército Brasileiro. Uma ampliação urgente, mas demorada, que mobilizou fortemente a metade sul e parte da comunidade gaúcha, ansiosa pela conclusão de todos os trechos.

O governo Bolsonaro determinou a empreitada ao Departamento de Engenharia da instituição militar, que tem uma carteira que passa de um bilhão de reais. O montante inclui a conclusão de obras inacabadas em dezenas de rodovias federais, além de barragens, aeroportos e ferrovias pelo país. Para isso, até 2024, os repasses dos ministérios de Infraestrutura e Desenvolvimento Regional vão passar de R$ 200 milhões por mês.

Alheio a aspectos ideológicos e melhorando a BR-116 com dinheiro público – por sinal com muita eficiência neste caso – se torna oportuno assinalar que apenas 23% das obras atualmente tocadas pelo Exército foram contratadas no governo Bolsonaro. As demais vem de governos anteriores.

O ministro Tarcísio de Freitas, de formação militar, tem sido muito dedicado e competente, não apenas nesta rodovia, mas em outras áreas de logística para o Brasil.
Revivendo um tempo já distante, o Exército tem retomado obras de infraestrutura, trabalhando com agilidade e utilizando mão-de-obra de jovens em fase de serviço militar obrigatório, supervisionados por engenheiros e utilizando equipamentos da instituição.

As empreiteiras privadas reclamam da destinação da tarefa, porque perdem mercado. Poderiam usar a nova realidade para uma revisão de práticas. A operação Lava Jato escancarou vícios de algumas empreiteiras, mas que não autorizam generalização. Os brasileiros vem sentindo muita simpatia com a entrada do Exército nestas obras de infraestrutura, marcadas pela transparência e custos. E são obras indispensáveis para escoamento e barateamento nas entregas da produção nacional.

A elevada presença de militares no atual governo da União desagrada a uma parcela da sociedade, mas é acolhida por outra, justamente porque diz respeito ao combate à corrupção e desenvolvimento de obras públicas.

Lasier Martins (Podemos-RS)
Senador